Olha o que acontece quando você “desiste” de votar

Olha o que acontece quando você “desiste” de votar

A primeira coisa que acontece: sua vida passa a ser controlada – de verdade – por políticos em quem você nunca votou – mas os outros votaram.

Ou seja, não votar é passar um cheque em branco para outras pessoas escolherem – provavelmente – candidatos em que você jamais votaria. E que, no caso das eleições municipais, vão ficar mais 4 anos atrasando a vida de todos onde você vive: seu município.
O Partido Novo é contra o voto obrigatório: enquanto não é facultativo, vejas as consequências nefastas que as regras do TRE trazem para o atual sistema eleitoral.

Não vou votar porque todos os políticos não prestam, são sujos, são corruptos…

Talvez todos políticos que você conheça se enquadrem nessa afirmação. Mas desde as eleições de 2016 começaram a surgir políticos novos e qualificados. Que, por serem novos, não tem ainda a mesma visibilidade de políticos antigos, que se tornaram “profissionais políticos”.

Esse pessoal mais antigo – e ainda numeroso, é verdade – em geral está em partidos maiores, que tem maior número de filiados ou fizeram “coligações” com outros partidos. Tudo para conseguir maiores verbas do Fundo Eleitoral, mais tempo de exposição em rádio e TV e, inclusive, usar (de forma absolutamente ilegal, é claro) recursos dos Municípios, dos Estados e até da própria Federação. Por exemplo, a Dilma usou a estrutura dos correios do Brasil inteiro para entregar “santinhos” delas na sua segunda eleição.

O negócio é queimar mais de R$ 3 bilhões nas eleições de 2020. Morra quem morrer.

Esses partidos maiores têm filiados que não pagam nada, são simples “simpatizantes”. Para sobreviver precisam de dinheiro público – sim, o seu e o meu – e por isso não abrem mão nem do Fundo Eleitoral (que vem do TSE – Tribunal Superior Eleitoral) e nem do Fundão de R$ 2 bilhões (que vem do governo federal). Para eles, usar esse dinheiro para a Saúde é uma heresia. O negócio é queimar mais de R$ 3 bilhões nas eleições de 2020. Morra quem morrer.

A nova geração de políticos não tem acesso a essas benesses, tem menos dinheiro do Fundo Eleitoral Partidário e do Fundão. E, pelas atuais regras, os políticos não podem ser financiados por empresas (somente por doações de pessoas físicas). Seus partidos, no entanto, que em geral filiam pessoas sem cobrar por isso, só contam com recursos do Fundão Eleitoral e eventuais contribuições de simpatizantes.

Partido Novo: a exceção que faz a regra

A única exceção à essa Regra é o Partido Novo, que tem 50 mil filiados que pagam mensalmente R$30 para o Partido. O Novo não usa qualquer fundo eleitoral. E é o único partido que tem um sério processo de qualificação de candidatos. Não é à toa que dentre os 10 melhores políticos do Brasil, eleitos pelo site independente Ranking dos Políticos, no ranking de 2019, os 8 primeiros são os 8 Deputados Federais do Partido Novo que conseguiram uma cadeira no Congresso em 2018.

(confira aqui)

O Partido Novo vai participar das eleições municipais agora em 2020, em 35 importantes municípios brasileiros – inclusive Campinas. Para isso, fez um processo seletivo muito mais rigoroso que no passado tanto para o candidato ao Executivo (Prefeitura) quanto para os candidatos ao Legislativo (vereadores). Todos os candidatos são de primeira linha – e você poderá escolher a sua opção entre mais de 16 pessoas qualificadas. E se sentir representado, como Cidadão, novamente.

Não é só não votar que perpetua o passado com políticos abomináveis…

Vamos fazer contas bem simples: digamos que num município hipotético haja 10.000 que podem votar. E que haja somente 5 candidatos a vereador. E que, apesar da Constituição permitir até 9 vereadores (SIC!) em cidades pequenas, a cidade tem apenas 3 vagas.

Em tese, se todo mundo é bem e igualmente conhecido, isso daria 2.000 votos por vereador.

Mas, 20% das pessoas não vai votar porque “não acredita em político”;

Mais 15% vai votar, mas vai votar errado de propósito, “por vingança”, o que anula seu voto.

Mais 15% vai votar, mas vai votar em branco, porque “não sabe em quem votar”.

Os 10.000 votos acabam caindo para 5.000 votos válidos!!! Metade dos potenciais votantes

Raposão – já conhecido, em reeleição mais uma vez – promete (novamente) muita coisa que não vai cumprir, o povo vai esquecer que ele não cumpriu e vai acabar levando 30% dos votantes no bico: 3.000 votos.

Zeca da Padaria, figura conhecida da cidade, acaba levando mais 10%, 1.000 votos.

Maria, João e Ana, que pouca gente conhece, são candidatos novos. Pouco conhecidos ainda e “sem grandes verbas de campanha”. Ficam com os outros 1.000 votos, assim distribuídos:

  • Maria: 600 votos;
  • João: 300 votos;
  • Ana: 100 votos.

Agora entram as regras eleitorais atuais (difícil de entender, mas…)

Passo 1 – Cálculo do Quociente Eleitoral (Qe)

Determina-se o quociente eleitoral dividindo-se o número de votos válidos apurados pelo de lugares a preencher em cada circunscrição eleitoral, desprezada a fração se igual ou inferior a meio, equivalente a um, se superior.

Quociente Eleitoral = 5.000 votos válidos / 3 vagas

Quociente Eleitoral = 1.666 Votos

Com a proibição das coligações, a expectativa é de que o jogo fique mais difícil para partidos pequenos. Para conseguir vagas nas Casas Legislativas é necessário atingir o quociente eleitoral. Os partidos pequenos, que não fazem muitos votos por si mesmos, faziam coligações com partidos fortes para que o grupo atingisse o quociente e assim pudessem participar da distribuição de cadeiras, conseguindo vaga para os candidatos de suas legendas.

Passo 2 – Cálculo do Quociente Partidário (Qp)

Determina-se para cada partido ou coligação o quociente partidário, dividindo-se pelo quociente eleitoral o número de votos válidos dados sob a mesma legenda ou coligação de legendas, desprezada a fração.

Para saber quantas vagas um partido pode ter na Câmara Legislativa, basta dividir o total de votos recebidos pelo partido pelo quociente eleitoral. No nosso exemplo, cada candidato é de um partido diferente. Assim:

Quociente Partidário = 5000 votos válidos / 1.666 (do quociente eleitoral)

Quociente Partidário = 3 vagas (até 3)

A Cláusula de Barreira (ou de Desempenho)

A Cláusula de Desempenho estabelece que o candidato terá que receber no mínimo 10% do quociente eleitoral para que possa assumir uma vaga. No nosso exemplo, 10% de 1.666 Votos = 166 votos.

A Situação de cada candidato

  • Raposão: Vereador mais votado 1 – 3000 votos => ELEGÍVEL (mais de 166 votos)
  • Zeca da Padaria: Vereador mais votado 2 – 1.000 votos => ELEGÍVEL (mais de 166 votos)
  • Maria: Vereador mais votado 3 – 600 votos => ELEGÍVEL (mais de 166 votos)
  • João: Vereador mais votado 4 – 300 votos => ELEGÍVEL (mais de 166 votos)
  • Ana: Vereador mais votado 5 – 100 votos => NÃO ELEGÍVEL (MENOS de 166votos)

 

Ou seja, 1 das 5 vagas não seria ocupada.

Os votos dessa vaga vão ser somadas às chamadas “sobras fracionárias” – e vão ser repartidas entre todos os partidos proporcionalmente. Para nós, sobraram 4 partidos, que tem o total de (5000 votos válidos – 100 votos da Ana) = 4900. Assim, cada partido (no nosso caso, cada vereador) fica com:

  • Raposão: 3000 + 100*(3000/4900) votos => 3062 votos
  • Zeca da Padaria: 1000 + 100*(1000/4900) votos => 1020 votos
  • Maria: 600 + 100*(600/4900) votos => 612 votos
  • João: 300 + 100*(300/4900) votos => 306 votos

Só que tem um detalhe importante: o quociente eleitoral define os partidos e (ou coligações, menos no caso de Vereadores) que têm direito a ocupar as vagas em disputa nas eleições proporcionais, quais sejam: eleições para deputado federal, deputado estadual e vereador.

No nosso exemplo, o quociente eleitoral é de 1.666 votos. Os partidos de Zeca da Padaria, Maria e João não tem votos suficientes – e, portanto, não tem direito a nenhuma vaga.

Resultado: todos seus votos são transferidos para Raposão – que acaba sendo o único vereador eleito, acumulando os 5000 votos válidos.

Resumindo: não votar, votar errado, votar em branco ajuda a manter antigos políticos no poder. Que é tudo o que você não quer, não é mesmo???

Caiu sua ficha?

Polis são cidades, desde o antigo tempo da Grécia.

Um político (do grego transliterado politikós), ou estadista, é quem se ocupa da política. Segundo Sócrates, é um homem público que lida com a chamada “a coisa pública”. Segundo Platão, é filiado a um partido ou “ideologia filosófica de conduta”. Se incorporado a um Estado pela vontade do povo, pode ser formalmente reconhecido como membro ativo de um governo. É uma pessoa que influencia a maneira como a sociedade é governada. Essa definição inclui pessoas que estão em cargos de decisão no governo e pessoas que almejam a esses cargos, tanto por eleição quanto por indicação.

Descrer de todos os políticos é desacreditar que as questões públicas, que afetam todos os cidadãos, possam ser transformadas e melhoradas. Não votar – o que pode parecer um ato de rebeldia à primeira vista – num estado democrático, é renunciar ao próprio poder que lhe é outorgado constitucionalmente. Quem ganha com isso? Você? Não. São os espertalhões de plantão, porque eles contam com essa sua indignação para se perpetuarem e se locupletarem no poder.

Por isso tudo, acredite em você mesmo antes de acreditar em qualquer outra coisa. Porque você tem poder: você vota e tem voz. Não abra mão dela, jamais. Vire Cidadão de NOVO.

Infográfico com uma simulação para as eleições de Campinas em 2020

Neste momento de Corona Vírus, o mais importante é salvar vidas: saiba como você pode ajudar

Neste momento de Corona Vírus, o mais importante é salvar vidas: saiba como você pode ajudar

Máscaras Protetoras Faciais em PET: uma alternativa às máscaras de tecido industrializadas que estão caras e estão em falta!

O problema maior deste momento: nossos cuidadores estão sendo infectados com muita velocidade, diminuindo a capacidade de atendimento das redes hospitalares (públicas e privadas) em todo mundo.

Usando material de PETS (que se não são recicladas viram lixo inorgânico), é perfeitamente possível produzir máscaras de proteção facial. Podemos ter – em cada cidade – equipes de voluntários que montam essas máscaras em suas casas (ou empresários que montam em seus galpões).

Essas máscaras podem ser produzidas muito rapidamente e serem doadas:

  • Primariamente para cuidadores que estão sem estoques (as máscaras de tecido duram no máximo 2 horas);
  • Pacientes infectados;
  • Num segundo momento, para pessoas que moram em locais onde é difícil manter o isolamento, pois vários moram em conjunto em espaços pequenos com 1 ou 2 cômodos no máximo

Vantagens do Protetor Facial de Olhos, Boca e Nariz em PET

  • Traz maior proteção e conforto para o usuário;
  • Ajuda a não propagar o contágio de doenças transmissíveis pela saliva e fluídos nasais (Corona vírus e outros);
  • Por não acumular saliva, como as máscaras de pano, evita o acúmulo de bactérias durante seu uso. Altamente higiênica;
  • Permite conversar de forma clara, sem causar ruídos no som da voz. Seu suporte, no queixo, cria a distância necessária facilitando a respiração. Por isso é possível ter proteção com conforto;
  • Pode ser esterilizado e reutilizado. Para reusar, pode-se usar simplesmente água e sabão neutro para limpeza, sempre que necessário. Também pode ser esterilizada com álcool gel.
  • A máscara fica fixada num boné o mais simples possível (não precisa ficar dando laços ou amarrando), facilitando sua colocação, retirada e ajuste;
  • É reutilizável, além de ser muito leve e resistente;
  • Maior Facilidade na Respiração em relação às máscaras comuns;
  • Transparente, não atrapalhando a visão. Pode ser usada com os óculos.

Funcionamento

A máscara é uma barreira física transparente que impede que a saliva seja arremessada ao falar, tossir ou espirrar. Ela visa o não espalhamento da saliva nos locais onde há contato com outras pessoas.

PROTEGE DO CORONA-VÍRUS?

As máscaras transparentes de polímero evitam a propagação do vírus a terceiros por meio da saliva e fluido corporais, sendo indicada, além de proteger o usuário, proteger principalmente a coletividade.

Como montar o Protetor Facial de Olhos, Boca e Nariz em PET?

A sequência de fotos mostra como você pode montar o protetor de forma totalmente manual, em sua própria casa (posteriormente teremos um vídeo, o importante agora é mostrar como se faz, mesmo a partir de fotos).

 

MATERIAIS NECESSÁRIOS

– garrafa PET (R$ 0,35 no Mercado Livre)

– boné simples (os valores vão de R$ 6 a R$ 16, exemplo, https://oficinadobone.com.br/)

– arame simples (R$ 10/Kg no Mercado Livre)

 

PASSO 1

Pegue a garrafa PET, elimite toda embalagem de papel, lave muito bem, elimine qualquer líquido interno ou sujeira.

PASSO 2

Com um estilete, corte a base da garrafa a uns 2 cm para eliminar o formato arredondado.

PASSO 3

Ainda com o estilete, corte a parte superior da garrafa, antes dela começar a se afunilar, dicando arredondada.

PASSO 4

Destaque com cuidado para não rasgar o PET. Deverá sobrar um tubo circular simples.

PASSO 5

Faça um corte transversal no cilindro, de maneira a poder “abrir” a PET.

PASSO 6

Corte 3 pedacinhos de arame de aproximadamente 5 cm, como na foto.

PASSO 7

Aqueça um dos arames em uma chama. 

PASSO 8

Fure o boné dois furos laterais e um dos furinhos no centro da aba frontal;

 

PASSO 9

Fure dois cantinhos do mesmo lado da chapa de PET que vc fêz;

 

PASSO 10

Fure a borda do centro da chapa trasparente de PET.

PASSO 11

Agora vamos fixar a chapa transparente de PET ao boné utilizando os tres pedaços de arame que vc cortou

Com o primeiro pedaço de arame
Fixe o lado direito da mascara passando o arame pelo furo do boné e pelo furo fo lado direito da chapa transparente do PET

Com o segundo pedaço de arame
Fixe o lado esquerdo da mascara passando o arame pelo furo do boné e pelo furo fo lado esquerdo do PET

Com o terceiro pedaço de arame
Fixe o centro da mascara passando o arame pelo furo do boné e pelo furo centro do PET.

Pronto sua Mascara Protetora Facial já pode ser utilizada. Lembre-se sempre de  o usuário deve lavá-la  toda vez que for utilizá-la.

 

 

TAGS:

#vocevotaetemvoz #CampinasNovaDeNovo

PERSPECTIVAS PARA 2020

PERSPECTIVAS PARA 2020

Em todo inicio de ano, desde que publico o “Opinião” semanal, tenho tentado reproduzir as predições dos especialistas para o ano que chega.

Nesse fim de semana, ouvi o programa da Globo News, onde Renata Lo Prete reuniu os economistas Eduardo Giannetti, Guilherme Tinoco e Armando Castellar para examinar a situação financeira do país e entender de que forma a tensão internacional, a ameaça de guerra, a situação da Argentina e também os problemas internos podem afetar o Brasil.

Assistindo o programa, tomei notas dos pontos principais, que comento a seguir. A entrevista pode ser ouvida abaixo

Desse grupo, conheço apenas Eduardo Gianetti, um estudioso notável, que acompanho a muito tempo. Ele basicamente diz que o ano de 2020 já está definido quanto ao crescimento, que deverá ficar dentro da “recuperação cíclica”. O Brasil esteve na “UTI”, foi para a convalescência mas não saiu dela, ainda. “O choque político foi muito forte, um presidente foi preso (Temer) outro foi esfaqueado (Bolsonaro)”.

“Temos que sair da recuperação cíclica e caminhar para o crescimento sustentável”.

 Mas acrescenta que “o Brasil tem uma grande capacidade ociosa, possui quatro milhões de profissionais com curso superior desempregados, o país daqui há um ano poderá se aproximar do pleno emprego”, “as oportunidades estão ai, em áreas como geração de energia, portos, rodovias, ferrovias, muitos setores”.

E então conclui: “ a variável é o investimento do setor privado, o qual, por sua vez, precisa de segurança jurídica”; “na minha hierarquia, a reforma tributária é a primeira (à prover tal segurança jurídica), basta ver o que tem acontecido com quebras de contratos (cita o caso da Linha Amarela do Rio de Janeiro).

Digo eu: O Economista Eduardo Gianetti quis se referir ao fato de que o Prefeito do Rio de Janeiro rompeu o contrato com a concessionaria da Linha Amarela e mandou derrubar o Pedágio. Vide o link da Folha de São Paulo, com a noticia.

Sobre esse tema, uma pesquisa na Internet apurou que:

Crime de responsabilidade

Por ordenar a destruição da praça de pedágio da Linha Amarela e encampar sua concessão sem o devido processo legal e prévia indenização e desrespeitando decisão judicial, o prefeito Marcelo Crivella pode responder pelo delito de dano, ato de improbidade administrativa e crime de responsabilidade, o que pode levar ao seu impeachment.(1)Fonte, https://www.conjur.com.br/2019-nov-12/prefeitura-rio-recorre-justica-encampar-linha-amarela

Digo eu: Eduardo Gianetti se referiu também à quebra de contrato no Estado de Goiás, onde a Assembleia aprovou tal quebra entre o Governo Estadual e a ENEL, que alega ser inconstitucional a anulação do contrato. (2)Fonte: http://jaraguanoticia.com.br/deputados-aprovam-quebra-de-contrato-do-estado-com-a-enel/

O economista Guilherme Tinoco diz que o crescimento da economia para o quarto trimestre de 2019 será de 06%, valor que anualizado, dará mais de 2%, e esse ritmo tende a se manter. E não espera nada maior, pois é preciso considerar que o carnaval esse ano será no fim de fevereiro (ou seja, dois meses perdidos), o ano de 2020 é ano de eleições municipais, e o saldo de 2019 (a reforma da Previdência) provavelmente não irá se repetir.

Digo eu: o item que está mais evidente no Congresso é a reforma tributária, que é extremamente complexa, envolvendo a intricada questão do ICMS dos Estados, item de receita que os Governadores não querem perder. Será uma verdadeira batalha!

O economista Armando Castelar diz que 2020 será um ano bom, mas será preciso explicar para a sociedade o que nesse ano precisa ser feito.

Renata Lo Prete chama a atenção para um ponto importante: “o Brasil não está mais na UTI, está saindo da convalescência, precisa direcionar a massa de dinheiro resultante da queda dos juros, encontrar um caminho saudável para aplicar tal massa”.

Digo eu: essa massa resultante da queda da inflação e consequentemente da queda da Taxa SELIC está com os bancos e om as fundações, Family Office, etc. cabe ao governo os atrair para as privatizações e para os grandes projetos de infra-estrutura (rodovias, ferrovias, saneamento, portos, etc).

Notas explicativas:(3)Meus seguidores no Linkdlin: acesse https://www.linkedin.com/in/carlos-daniel-coradi-684b8618/detail/recent-activity/posts/ e (4)Sobre Princípios do Partido Novo, acesse https://novo.org.br/nossos-valores/ ao qual aderi recentemente

Carlos Daniel Coradi

Carlos Daniel Coradi

Sou Carlos Daniel Coradi, Engenheiro e Mestre em Administração, especializado em atender clientes ricos e organizar seus escritórios de “Family Office” em apartados dos seus negócios empresariais, de modo a segregar as duas naturezas. Sou também especializado em Reorganização de Empresas, Atendo o Brasil todo à distância ou pessoalmente, se for o caso. Contatos, e-mail c.coradi@efc.com.br, whatsApp +55 11 986 12 12 64, skype coradi 51. Veja meus artigos em www.carloscoradi.com.br

Referências   [ + ]